Eleitos do PS apresentam críticas e sugestões sobre o Parque Urbano de Miratejo


As críticas não se prendem com o Parque em si, que é necessário, mas à forma como o mesmo é pensado e projetado, que demonstra falta de preparação e de pensamento patrimonial do espaço. 

A zona onde a autarquia pensa implementar este Parque contém em si o único monumento nacional existente no Concelho do Seixal, a Olaria Romana. Um local cheio de histórias, com uma importância cultural e patrimonial tremenda e que a gestão CDU não está a salvaguardar.

Esta é a opinião de Jorge Freire, arqueólogo, mas também eleito do PS na Assembleia Municipal.

Este nosso eleito, juntamente com o Vereador do PS, ArqºNuno Moreira apontam claramente as lacunas base identificadas

Positivo:
A existência do projeto em si e a vontade de valorização do espelho de água frontal

Negativo:
Essencialmente do ponto de vista patrimonial e ambiental
— Uma zona de exposição demasiado pequena para a importância do património nacional e natural em causa;
— É impressionante a ausência de uma clareza quanto à segurança, tanto do património como das pessoas que irão frequentar um local que conterá património Nacional classificado
— a questão da higiene não estar salvaguardada, um parque destes, com património nacional classificado não pode servir de “casa de banho de animais” que naturalmente terão livre acesso
— ausência de estacionamento adequado ou pensado, isto numa zona que já por si tem falta de estacionamento, até para os residentes. Se isto não for devidamente pensado, as visitas ao parque tornar-se-ão um problema para os residentes
— O projeto apresentado pela CM Seixal tem uma falta de clareza na integração futura do património ainda existente no subsolo e que não está “à vista”

Os eleitos do Partido Socialista, perante o apresentado, procurarão que todas as questões patrimoniais e do local sejam salvaguardadas e pensadas previamente, algo que a CM Seixal parece não ter feito, apresentado esta ideia de forma simplista e até pouco sustentada

Jorge Freire e Nuno Miguel Moreira